-->

Autotransfusão na Cirurgia Ortognática

Autotransfusões de Pré–Depósito, ditas de Programadas, na Cirurgia Ortognática

           A autotransfusão de pré-depósito consiste na pré-coleta de sangue do(a) paciente que é armazenado adequadamente para reinfundi-lo no momento da cirurgia. A pré-coleta múltipla é iniciada de 6 a 28 dias antes da data do procedimento cirúrgico.

          A absoluta segurança da autotransfusão de pré-depósito e suas inúmeras vantagens sobre os outros tipos de transfusões estão descritos na literatura mundial, com a aplicação desse método em várias áreas cirúrgicas, como por exemplo, na Cirurgia Ortognática, principalmente nas cirurgias combinadas (ambas arcadas), onde o(a) paciente perde mais sangue do que na cirurgia de apenas uma arcada.

          Devido ao aumento dos programas de pré-depósito tem havido o aumento dos estoques de sangue nos hemobancos. Pode haver também o aproveitamento do sangue pré-doado e que não foi utilizado na cirurgia do(a) paciente doador(a), tornando-o um sangue homólogo (sangue da mesma espécie) para transfusões em outros doentes.

Quais são as vantagens da autotransfusão?

          A autotransfusão programada tem várias vantagens. Elas serão enumeradas abaixo:

1) Ausência dos riscos e das complicações das transfusões homólogas.

2) Não estão restritas à disponibilidade de tipo sanguíneo.

3) A recuperação do(a) paciente se dá mais rapidamente.

4) A sensação de tontura e fraqueza é mínima naquele(a) paciente que foi autotransfundido(a) quando comparado ao(a) paciente que não recebeu nenhum tipo de reposição sanguínea.

5) Não são onerosas. O aspecto econômico das autotransfusões deve ser sempre ressaltado, pois seus gastos são sempre muito menores do que os de qualquer transfusão de sangue ou seus derivados.

6) Dispensam classificações repetidas e pesquisas de anticorpos de moléstias variadas, que consomem tempo e dinheiro.

7) Podem ser praticadas em hospitais ou cidades desprovidas de maiores recursos, inclusive naquelas que não dispõem de banco de sangue. Basta uma geladeira e bolsas de coleta de sangue (hemobags), que já trazem consigo os preservativos, para se fazer um bom pré-depósito.

8) São desprovidas de antigenicidade; não provocam sangramentos por coagulopatias induzidas; não produzem bloqueio alveolocapilar, acidose ou necrose tubular.

9) Conservam a característica total da hemácias.

10) Não provocam depressão imunológica, nem aloimunização (é a propriedade imune que um organismo adquire contra células de outros organismos da mesma espécie).

11) Podem ser aplicadas em pacientes adeptos de religiões que proíbem transfusões sanguíneas regulares.

12) Reduzem enormemente as necessidades de sangue homólogo em diferentes especialidades.

13) Podem constituir fonte de transfusão homóloga para outros pacientes quando o pré-depositado não for utilizado na durante o ato operatório. Esse dado é de suma importância econômica porque, além de constituir fonte de transfusão homóloga e reduzir as necessidades desta, as pré-coletas não usadas podem ser fracionadas e aproveitadas sob diversas formas de derivados e, até, na fabricação de cola de fibrina.

14) A simplicidade e facilidade da aplicação do pré-depósito (pré-coleta) se igualam ao único item vantajoso das transfusões homólogas.

Portanto, como visto acima, a indicação de uma autotransfusão está alicerçada em quatro itens fundamentais, a saber:

a) Segurança: a autotransfusão é segura e isenta dos riscos e das complicações das transfusões homólogas.

b) Economia: o aspecto econômico é outro fundamento de nossa insistência na prática de autotransfusões. O seu custo quando se empregam métodos elementares é mínimo. É preciso lembrar que em uma autotransfusão, a matéria-prima – o sangue – é gratuita. Nas transfusões homólogas, além do gasto do material de coleta e embalagem, deve ser considerada a pecúnia ao doador.

c) Disponibilidade: a oferta de sangue homólogo de doadores qualificados é sempre pequena. Quando se trata de tipos mais raros, esse problema se avoluma ainda mais. Para duas autotransfusões, seja de reinfusão ou de pré-depósito, a disponibilidade é clara e evidente. Além disso, existe o aspecto da qualidade do sangue, que nas autotransfusões, mantém intactas as propriedades de viabilidade de seus componentes, de compatibilidade e até de temperatura (na pré-coleta imediata), o que nem sempre acontece nas transfusões homólogas.

É possível afirmar que a autotransfusão constituirá, no futuro próximo, um método terapêutico de uso compulsório para reposições sanguíneas, em vez de uma simples opção a escolher.

Por sua simplicidade, facilidade de manejo, multiaplicabilidade e aspecto econômico, a autotransfusão de pré-coleta é a modalidade mais adequada de transfusão cirúrgica.

Os pacientes atendidos e tratados no ICOC, quando necessário, recebem de forma rotineira a autotransfusão. Pergunte sobre a necessidade de autotransfusão para a sua cirurgia também.

Texto escrito por Éber Stevão  CROPR 7861. Todos direitos autorais reservados.

Tags:

Comentários fechados.